terça-feira, 16 de Julho de 2013

A presidente Dilma Rousseff fez entrega de casas populares e retroescavadeiras em Ponta Grossa


A presidente Dilma Rousseff disse nesta terça-feira (16), durante evento de entrega de casas populares e retroescavadeiras em Ponta Grossa, que precisa da ajuda dos prefeitos para melhorar o transporte públicos nas grandes cidades. “Quero pedir aos prefeitos que possamos trabalhar em conjunto para melhorar o sistema de transporte, para evitar que as pessoas fiquem dentro dos ônibus do que trabalham, do que ficam de lazer nas suas casas”.
A presidente - que falou durante a inauguração de casas populares do Programa Minha Casa Minha Vida, nos Campos Gerais - usou o discurso para relembrar o pacto firmado com governadores em reunião no fim de junho, após o país passar por uma série de protestos.


Dilma disse que o Brasil precisa investir em infraestrutura social para melhorar as condições de vida da população, e citou saúde e educação como áreas fundamentais para o desenvolvimento do País. “O Brasil é um país que tem tudo para se tornar uma nação desenvolvida. Já perdemos essa chance antes, mas tenho certeza de que agora não vamos desperdiçar essa oportunidade. Só teremos um país melhor se as condições de vida da população forem diferentes, para cada um dos brasileiros e brasileiras”.
A presidente falou novamente sobre o repasse de R$ 3,5 bilhões para prefeitos, e disse que a primeira parcela dos recursos será disponibilizada em agosto. “Essa é uma liberação fora do fundo de participação dos municípios. Isso é importante para que vocês [prefeitos] possam contribuir com a melhoria do atendimento da saúde e educação nos municípios”, disse.
Especificamente sobre a educação, a presidente disse que o país precisa garantir a alfabetização das crianças na idade correta e que essa é uma das chaves para o desenvolvimento. “O Brasil tem que assegurar que toda criança entre 6 e 8 anos tenha condição de manejar a leitura, a interpretação do que leu, operação de aritmética simples”.
Dilma citou os coordenadores do Movimento Nacional de Luta por Moradia e da Central de Movimentos Populares, presentes ao evento, e os elogiou pela contribuição a programas habitacionais do governo. Os prefeitos também foram contemplados: todos os 42 políticos que receberam as retroescavadeiras tiraram fotos ao lado da presidente, que disse que tem "compromisso de melhorar as condições de trabalho nos municípios" e destacou a importância das prefeituras.
Desta vez, não houve vaias ou protestos a Dilma. A presidente foi bastante aplaudida pela plateia, formada por beneficiários das casas e políticos. Ela desceu do palco para cumprimentar populares e tirar fotos após o discurso.

Bolsa família
A petista também afirmou que "manterá enquanto for necessário" o Bolsa Família, que disse ser importante para "garantir uma renda mínima para a população mais pobre".
O programa foi alvo de boatos de que seria extinto no mês passado, após a Caixa ter antecipado o pagamento dos beneficiários. O presidente da Caixa, Jorge Hereda, esteve no evento em Ponta Grossa, mas não falou com a imprensa.
Richa cita parceria com governo federal
Beto Richa também discursou e classificou como uma "grande parceria" a construção de casas populares entregues no evento. “[A arceria entre as esferas de governo] dá tão certo no Paraná que, segundo diretores da Caixa, no nosso estado temos a maior parceria habitacional [proporcional] de todo o país. Isso é resultado da soma de esforços do governo federal estadual e prefeitos municipais”.
Richa fez questão de comparar o número de casas populares construídas no seu mandato com o de anos anteriores. “A meta do nosso governo é atingirmos em quatro anos de mandato a construção de 110 mil casas no estado do Paraná, nessa grande parceria com o Minha Casa Minha Vida. Hoje faltam apenas três municípios do estado do Paraná onde não houve a construção de casas populares. Em breve teremos 100% dos município com construção de casas próprias”.
O prefeito de Ponta Grossa, Marcelo Rangel (PPS), foi o primeiro a falar. Ele festejou a presença de Dilma e aproveitou a chance para pedir a construção de um aeroporto na cidade. “Ponta Grossa é o lar de 400 mil pessoas, uma das cidades que mais crescem no Brasil. Mas como toda cidade do país, temos grandes dificuldades a serem superadas, como, por exemplo, o aeroporto, que é uma reivindicação histórica das nossas autoridades e de grande importância para o Sul do Brasil”.



Entrega de retroescavadeiras
O ministro do Desenvolvimento Agrário, Pepe Vargas, falou durante o evento de entrega de retroescavadeiras. Ele citou as máquinas que são entregues no local como parte do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC). Os equipamentos fazem parte do eixo transportes do programa e visam melhorar a conservação de estradas vicinais dos municípios. “Hoje estamos entregando as retroescavadeiras, e, até o início do ano que vem, todos os 5.061 municípios vão receber o conjunto desses equipamentos [retroescavadeira, motoniveladora e um caminhão caçamba]. Isso representa um investimento de R$1,02 milhão em cada município”.
A presidente Dilma passou a entregar as chaves das máquinas para prefeitos de cidades da região. As máquinas fazem parte do programa de melhoria de estradas vicinais do Ministério do Desenvolvimento Agrário, voltado a municípios com até 50 mil habitantes. No Paraná, 367 municípios aderiram ao programa, que recebeu investimentos de R$ 63 milhões, com a aquisição pelo governo federal de retroescavadeiras, motoniveladoras e caminhões-caçamba.
A estimativa do Palácio do Planalto nesta segunda-feira (15) era de que 5 mil pessoas participassem do evento. O número não foi confirmado, mas, pouco depois do início das falas, uma fila de cerca de 100 metros ainda se formava, com pessoas que queriam entrar no evento. Para ingressar no local do evento, era preciso passar por um detector de metais, o que provocou demora para se chegar ao palanque.

A presidente chegou de avião a São José dos Pinhais, no Aeroporto Afonso Pena, por volta das 10h30. Depois, a comitiva seguiu para a cidade do interior de helicóptero. Dilma chegou à Ponta Grossa por volta das 11h30, sendo recepcionada pelo governador Beto Richa (PSDB). Às 11h50, a comitiva com a presidente iniciou uma visita a uma das casas construídas. O ato político iniciou por volta do meio-dia
O evento colocou no mesmo palanque dois possíveis candidatos ao governo do estado nas eleições de 2014 ao Palácio Iguaçu. O governador Beto Richa (PSDB), possível candidato à reeleição, participa do evento junto com a atual ministra-chefe da Casa Civil, Gleisi Hoffmann (PT) - que acompanha Dilma. Gleisi é cotada como candidata ao governo do Paraná no próximo pleito, mas não discursou durante o evento.
 Esta foi a terceira visita ao Paraná neste ano. Em fevereiro, ela esteve em Arapongas e Cascavel. Em junho, em Pinhais. Desde 1991, quando Fernando Collor esteve na cidade, Ponta Grossa não recebeu mais nenhum presidente.